Veneno em estado puro

Esta foto foi tirada no supermercado biológico Brio, mas podia ter sido tirada no Celeiro, Terra Pura, ou qualquer outro local que pretende vender alimentos “saudáveis” e “naturais”.

image

Glúten de trigo. 250 gramas da mais perniciosa arma biológica vegetal jamais consumida de forma crónica pelo ser humano.

Esta substância é o principal ingrediente das seguintes receitas:

Síndroma de Intestino Irritado, Permeabilidade Intestinal, Doença Celíaca, Alergias Alimentares variadas, Refluxo Gástrico, várias Doenças Auto-Imunes (Hipotiroidismo, Lúpus, Artrite Reumatóide, …), Diabetes tipo II, Enxaquecas recorrentes, Degeneração do Cerebelo, Episódios de Bipolaridade, e tenho a certeza que muitas mais ficaram de fora.

Mas pronto, como é “natural” e não é de origem animal, deve ser muito saudável…. 😛

Como podem ver, é um ingrediente extremamente versátil e de grande popularidade nas suas formas diluídas (vulgo “Farinha de Trigo”, ou de Centeio, ou de Aveia, ou de Cevada) omnipresentes em todos os alimentos industrialmente processados (incluindo a Cerveja) e mesmo na maioria dos confecionados de forma caseira – embora haja muitos cidadãos corajosos que abnegadamente se sacrificam pela aceleração da evolução genética da nossa espécie, dedicando-se de forma insistente à confeção e consumo de verdadeiras bombinhas de glúten chamadas “bife de Seitan”, inteligentemente criadas para compensar uma dieta (vegetarianismo / veganismo) com clara tendência para o desequilíbrio e carente de alguns dos mais importantes nutrientes humanos.

Se eu pudesse apenas dar um único conselho nutricional a alguém que precisa, esse seria certamente: “Elimina o Trigo. E já agora, os restantes cereais.” O resto são otimizações.

~ por Vasco Névoa em Maio 5, 2012.

11 Respostas to “Veneno em estado puro”

  1. Por favor publica os estudos que comprovam que o gluten faz mal a pessoas sem alergia intestinal a ele?

    o açúcar faz mal, o óleo de girassol faz mal , tudo faz mal tem de ser consumido na devida conta e medida, os creiais são parte integrante de uma dieta saudável e fonte de energia.

    Porque não atacas o leite? e derivados?

    • Aqui vai um: indivíduos testados e achados não-celíacos sofrem efeitos de permeabilidade intestinal quando expostos ao glúten.

      Aqui vai outro: As células da mucosa intestinal tornam-se permeáveis na presença da Gliadina (principal proteína tóxica do glúten); o efeito é muito mais pronunciado nos doentes Celíacos, mas também se verifica nos não-celíacos e a exposição crónica piora as coisas (isto diz alguma coisa aos comedores de cereais de pequeno-almoço?…).

      É inevitável pensar que o glúten afecta a muito mais gente do que os celíacos.

      Uma vez aberta a porta do intestino para o sangue, dá-se lugar a todas as outras alergias alimentares que conhecemos, seja aos lacticínios, esta ou aquela fruta, etc. Quanto a mim, o passo mais eficaz para a eliminação da maior parte das alergias e doenças auto-imunes é a total eliminação do glúten. Com a mucosa intestinal fechada, só passam os aminoácidos essenciais e as proteínas aguardam uma digestão normal.

      E não, os cereais não são sequer necessários à alimentação Humana, muito menos “parte de uma dieta saudável”. Nós vivemos muito bem sem eles durante cerca de 3 milhões de anos, e a elevada inteligência que desenvolvemos como caçadores-recolectores foi aquela que nos permitiu inventar a agricultura há cerca de 10.000 anos atrás.

      Infelizmente, pagámos por esse erro com um decréscimo de volume cerebral, estatura, e robustez física. E com a industrialização total da agricultura e estabelecimento da nossa querida “Pirâmide Alimentar” no pós-guerra veio a rápida degeneração da saúde ocidental.

      Mas a César o que é de César: foram os cereais que permitiram o estabelecimento de cidades, exércitos, escravatura, nações, estados, empresas, economias, crises…. e claro, que permitiram o nascimento de uma classe ociosa que se pôde dedicar às artes, às ciências, e ao supérfluo… devemos toda a nossa cultura e estrutura social modernas à agricultura, com tudo o que isso tem de bom e de mau: tecnologia e engenharia avançadas, especialização técnica, abundância de alimentos baratos, desigualdade social, imperialismo, terrorismo… não podemos andar para trás, nem devemos atirar fora todos os progressos modernos; no entanto, podemos e devemos analisar ao microscópio tudo aquilo que temos e separar o bom do mau.

      A objectividade é a nossa única defesa. E os cereais são dispensáveis e são veneno a longo prazo.

    • O leite e laticínios são frequentemente vítimas de ataques como aqui o do nuno. No entanto, mais uma vez, há que ser objetivo e separar as águas.

      O leite materno (seja de que espécie for) é por excelência o alimento mais equilibrado que existe…. para um bebé. O sistema mamário da mãe e o sistema digestivo e imunitário do bebé formam um conjunto crítico para o desenvolvimento metabólico e imunitário do ser. Até aos 12 ~ 18 meses de idade (nos humanos), claro está. Depois disso, a criança deve transitar para comida sólida, e o próprio sistema digestivo começa a perder a capacidade de digerir o leite e também já não beneficia muito com ele. A gordura do leite é crítica para o rápido desenvolvimento do sistema nervoso do bebé, mas pouco ajuda uma criança maior. O corpinho começa a pedir quantidades e qualidades que a mãe já não pode facilmente dar. A maioria dos adultos não possui a capacidade de fabricar lactase, a enzima essencial à digestão do açúcar do leite, a lactose. É por essa razão que muita gente desenvolve intolerância à lactose.

      Conclusão número 1: o leite é para bebés, não é para crianças nem para adultos.

      Agora vejamos o leite industrializado. Juntando ao problema de má adaptação do sistema adulto à digestão do leite, há ainda dois outros problemas introduzidos pelo processamento estandardizado:
      – o leite que compramos não é humano (vaca / cabra / ovelha);
      – o leite é quase completamente desnatado.
      Não tenho informações sobre como o primeiro ponto nos afeta, mas suspeito que não será absolutamente pacífico o consumo de leite de outras espécies.
      Quanto ao segundo ponto, tenho tudo contra! O “desengorduramento” do leite para consumo humano é a origem dos problemas de saúde causados pelo leite em algumas pessoas. Remover a gordura do leite provoca dois efeitos nefastos:
      – Aumenta enormemente o índice glicémico do leite, tanto pela falta da gordura para amortecer a absorção como pelo enriquecimento relativo em lactose e outros açúcares e também em proteínas;
      – A Caseína, uma proteína especializada no transporte de gorduras na água, fica retida no “leite” processado mesmo sem a sua companheira de viagem. Infelizmente o excesso de caseína é também responsável por cancro e outros problemas nos humanos.

      Conclusão número dois: se vai mesmo assim beber leite, que seja da forma mais natural possível: gordíssimo.

      Conclusão número dois: se não é capaz de beber leite na sua forma mais saudável (direto da teta da vaca), se o teor de gordura lhe mete nojo e o enjoa, então você é um adulto saudável e não deve forçar a situação – o leite é só para bebés (e o da vaca é só para bezerros).
      EDIT: quem tem asco e reacções digestivas violentas à gordura muito provavelmente tem um grave problema de vesícula biliar ou fígado. As pessoas saudáveis não têm problemas com refeições gordurosas.

      E agora os lacticínios.

      Não tenho nada contra o consumo de manteiga, iogurte, e queijo. Antes pelo contrário, sou totalmente a favor e defendo que estes alimentos são essenciais numa nutrição moderna saudável.

      Uma vez que abandonámos as maneiras antigas (a alimentação paleolítica verdadeira) por razões de progresso social há muitos milhares de anos, e que entretanto inventámos mil e uma maneiras de transformar a comida, penso que seria estúpido rejeitar todas as comidas processadas com base no princípio. Devemos analisar cada uma pelos seus próprios méritos. É isto que distingue a Paleo Funcional (também conhecida como “Primal”) da Paleo Tradicional (definida pelo Dr. Cordain).

      No caso da manteiga, desde que seja feita com bom leite gordo, o teor de caseína é relativamente baixo e a lactose praticamente não existe. Isto torna-a uma excelente gordura para os humanos. É a minha favorita para fritar os ovos da manhã.😉

      O iogurte é um alimento fantástico por ser probiótico. Um iogurte caseiro, não-pasteurizado, contém inúmeras bactérias que vão enriquecer a nossa flora intestinal. E no próprio iogurte há novas vitaminas e ácidos gordos, e minerais que foram tornados bio-compatíveis com o nosso sistema digestivo pelo trabalho das bactérias. Portanto… nada contra, tudo a favor!

      O queijo segue mais ou menos a mesma linha do iogurte, mas como é mais seco tem menos bactérias vivas, se as tiver. No entanto, é uma excelente fonte de gordura e vitaminas sem a toxicidade do leite.

      Portanto… não bebam leite industrial, mas comam os laticínios em paz.

  2. Olá Vasco,
    Andava eu à procura de glúten de trigo biológico e vim dar ao seu blog…
    Pensei “veneno! mais uma treta…”
    Mas como passei os olhos e vi “Doenças Auto-Imunes, Artrite Reumatóide” resolvi ler o artigo.
    Depois fui as categorias do lado direito e cliquei em Saúde, resolvi ler https://vnevoa.wordpress.com/2011/09/21/o-manual-da-alimentacao-perfeita/

    Fiquei surpresa ao ver lá a palavra “Paleo”, felizmente não estava no início do artigo…
    Já encontrei muitas vezes artigos sobre esta dieta, mas sempre os rejeitei e nunca tinha lido nada a respeito…. sempre pensei que era mais uma dieta parva, a verdade é que inventam tudo e esta era mais uma, ainda por cima com fotos do homem das cavernas… enfim…

    O seu artigo sobre “O Manual da Alimentação Perfeita” está perfeito porque não menciona logo no início “Dieta Paleo”, acredite, o nome afasta muita gente.

    Este artigo levou-me a fazer muitas buscas sobre a Dieta Paleo, passei horas a pesquisar e a ler, quanto mais lia mais queria saber, e porque é que era assim, e acabei por querer pôr em prática para ver se era mesmo assim.
    Não é fácil acreditar que afinal as doenças crónicas Auto-Imunes têm cura!!

    Tenho problemas no Sistema Imunitário, Artrite Reumatóide, Fibromialgia, Psoríase, Anemia, Insónia, Candidíase Polissistémica, etc.
    À uns 4 ou 5 anos descobri o Óleo de Côco e o Cloreto de Magnésio e melhorei muito, pelo menos deu para sair da cama.

    Eu e o meu marido começamos esta dieta à mês e meio.
    Ele tem mais energia, já não ressona, já não tem dores nas costas e perdeu cerca de 10kg.
    Eu estou mais forte, já não tenho “quebras”, perdi cerca de 3kg, já não tomo comprimidos para as dores à bastante tempo e quando chegou aquela altura do mês, veio e foi sem qualquer dôr.

    Ainda só vamos no começo, na parte da alimentação, temos que evoluir para o exercício e apanhar sol, mas uma coisa é certa nunca mais vou deixar este modo de vida, sim, é um modo de vida e não só uma simples dieta.

    Escrevi tudo isto para lhe agradecer🙂
    OBRIGADA Vasco por ter um blog onde fala sobre este assunto!
    Um abraço apertado,
    Carmen

    • Carmen, que mais posso eu dizer depois disto? É com gande humildade e admiração que leio o seu relatório, uma vez que é muito raro obter comentários destes. Fico feliz por ter tido um impacto positivo na vida de alguém, está é sem dúvida a melhor recompensa que um “bloguista” pode ter.
      Quero apenas lembrar que não há soluções perfeitas, e que o ruído e a desinformação existem por todo o lado, “paleosfera” incluída. No entanto, pelo que me contou, vejo que já tem as ferramentas essenciais: a vontade de descobrir a verdade e o entendimento de que nós somos apenas animais, e como tal estamos sujeitos às leis da evolução biológica antes mesmo de estarmos sujeitos às leis humanas. Um grande abraço, e que a vossa viagem continue pelo bom caminho.

    • Carmen, todos os problemas que relata estão relacionados com uma permeabilidade intestinal exagerada.
      No seu lugar, focaria todos os meus esforços na recuperação da saúde intestinal, com a confiança de que isso resolve todos os outros problemas.

      A Cândida Albicans é um fungo que só se dá bem quando há falta de bactérias para lhe fazer concorrência, e gosta principalmente de hidratos de carbono. Procure restaurar a flora intestinal tomando probióticos tão variados quanto possível durante vários meses (faça colecção!🙂 ), e alimentando essa flora com prébióticos (fibra solúvel).

      No entanto, é preciso ter atenção em não exagerar, porque também é possível cair outra vez no mesmo problema (permeabilidade intestinal exagerada) se tivermos demasiada flora intestinal (é o meu caso). Portanto, assim que os sintomas melhorarem, reduza ou elimine os probióticos. Como tudo o resto na vida, é uma questão de experimentação e monitorização.

      Objectividade e Boa saúde!🙂

    • Carmen, por acaso tens opinião formada sobre este “Candex”?
      http://primalpat.com/2012/03/13/indigestion-fasting-and-the-dreaded-candida/
      Parece-me uma boa dica… e parece-me que tanto eu como a minha mulher também estamos escravos da malvada C. Albicans, estando provavelmente na origem dos meus problemas metabólicos… seria interessante livrar-me disto de uma vez por todas. O Diflucan (1 cápsula) não parece surtir efeito.

      • Olá Vasco, só agora vi a pergunta sobre o Candex, não tenho opinião formada sobre nenhum medicamento, pois não usei nenhum, só posso falar do óleo virgem de côco é de facto muito bom, mas quando deixamos de tomar a cândida volta e em algumas pessoas (como eu), mesmo tomando o óleo ela volta, menos agressiva mas volta. Mas do que tenho lido de testemunhos de alguns medicamentos não têm o efeito pretendido e alguns são caros. A dieta que fazemos dá resultado, não tenho tido efeito da cândida, calculo que esteja ainda no meu corpo porque demora tempo a sair, mas a última vez que a senti foi no fim do Verão.
        E no mês de Dezembro andei a fazer asneiras, foi chocolate de todos os tipos o mês todo (excesso de açucar e fitatos)… a psoríase voltou a atacar um pouco.
        Estas doenças auto-imunes acabam por estar todas interligadas, tendo como base a permeabilidade intestinal. A cândida é muito silênciosa e “inteligente” geralmente quando damos com ela já está espalhada.

  3. Sim, praticamente todos os meus problemas vêm de uma permeabilidade intestinal exagerada.
    Mas inicialmente quis aderir à mudança alimentar, apesar de o ter feito de um dia para o outro e não gradualmente, quis sentir na pele os efeitos da dieta.
    Agora já começo a incluir alimentos que ajudam na recuperação, neste momento estou a consumir kefir e clorela, parece-me uma boa combinação dado os efeitos de um e de outro. A clorela tem muitos benefícios entre eles estimula o sistema imunitário e também tem efeito prebiótioco.
    Talvez adira também aos vegetais fermentados, mas não sei se vou gostar…

    O meu problema com a “menina branca” é que ela já se instalou bem instalada dentro do meu corpo (já está amestrada :)) e é muito difícil mandá-la de volta para os intestinos e sempre que se sente ameaçada migra para outro lado. Estas migrações são muito perigosas porque pode afetar um órgão vital.
    Mas, por outro lado se eu estiver forte o suficiente quando a atacar ela já não vai conseguir migrar e as minhas chances são maiores de a combater.
    No entanto sei que vai ser um processo muito demorado…

    Um abraço Vasco!
    Um destes dias post por aqui uma receita para as suas “gulosas”🙂

    Carmen

  4. Mais sobre o problema do leite: http://realmilk.com

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

 
%d bloggers like this: