Moko ao rubro

Um pouco por todo o mundo, os primeiros telefones Neo1973 comprados no sítio do OpenMoko começaram agora a chegar pelo correio às mãos dos hackers voluntários.

A excitação é enorme; em poucas horas a lista da comunidade trocou qualquer coisa como 170 mensagens. Considerando que isto é uma comunidade constituída quase exclusivamente por pessoas com capacidade técnica de desenvolvimento, distribuída por muitos fusos horários diferentes, e que ainda nem metade recebeu o telefone que comprou, isto é um tráfego muito elevado.

A fazer fé no wiki do projecto, 345 hackers do mundo inteiro declararam a intenção de compra de um telefone durante esta primeira fase de desenvolvimento, 133 já oficializaram a compra, e outros 108 utilizadores declararam que desejam comprar o telefone durante a segunda fase, quando o produto já estiver minimamente funcional. No entanto, parece que já foram vendidos aproximadamente 2000 Neos, embora isto seja apenas uma extrapolação. Por mim, acho que o número se aproxima mais dos 1000…

E o que é que eles compraram? Um dispositivo que vem vazio de qualquer tipo de software (sistema operativo inclusivé), e como tal tem de ser atenciosa e penosamente programado para deixar de ser um tijolo inerte. Uma vez posto em acção, há que ser rápido a experimentá-lo, pois a bateria não dura mais de 3 horas (em vez das 36h atingíveis), já que todo o sistema de software que faz a gestão da energia ainda não está a funcionar. Se tiverem a sorte de conseguir que ele funcione com o cartão GSM escolhido, podem tentar fazer uma chamada telefónica, mas não há garantias que esta se mantenha por mais do que alguns segundos antes do software rebentar. E receber uma chamada é impossível, pois o sistema rebenta logo. Alguns nem sequer conseguem ter som, e portanto o telefone não toca. A parte GPS está completamente morta, pois ainda não foi integrado o software necessário para a fazer funcionar. Algumas da aplicações ainda são “maquettes” com interfaces imutáveis e não podem ser utilizadas. A instalação automática de pacotes de software pela Net já funciona, mas ainda não existe um repositório de pacotes para aceder. No entanto, já é possível ligar-se por SSH ao telefone, e ter uma consola de texto para controlar o Linux que corre no Neo. E a plataforma de desenvolvimento em Linux/MacOS está a amadurecer a uma velocidade estonteante, e já se presta à compilação de “imagens de ROM” completas para instalação sem problemas.

Em suma, é tudo o que um “geek” pode esperar de um projecto como este, e muito mais…😉 o potencial é quase infinito, e é por isso que tantas pessoas estão a vibrar com a oportunidade. Entretanto, enquanto se espera pela chegada dos restantes telefones no correio, discutem-se muitas ideias em paralelo, desde a melhor estratégia de marketing, à arquitectura de software desta ou daquela aplicação, passando pelas inúmeras ideias de projectos que o pessoal vai lançando para a fogueira. Telefones com características especiais para utilizadores especiais, como os cegos, as crianças pequenas, os cidadãos séniores, os adolescentes hipercomunicadores e sempre conscientes do volume da carteira, estão a nascer nestas listas de discussão pública. O limite é a imaginação.

E é este sentimento de comunidade, reforçado pela orientação do carismático Sean e pela competência técnica e brilhantismo de engenheiros como o Harald, que se está a cristalizar à volta da promessa que eles repetem: “O mundo das comunicações móveis não voltará a ser o mesmo depois disto. Não vamos competir com os jogadores actuais, vamos criar novas regras de jogo.

Isto é inovação em todo o seu esplendor! 😀

A estratégia do projecto continua a mesma: “Primeiro damos aos geeks o que eles querem – uma boa plataforma de desenvolvimento onde possam exprimir e implementar as suas ideias; depois, veremos surgir um enorme mercado de aplicações e utilizações, e aí sim, o nosso Pai, Mãe, Avó, Sobrinho ou Neto irão também querer ter um Neo.

É uma estratégia de longo prazo, e cheia de risco. Algo que um vendedor de tecnologia de consumo “normal” nunca seria capaz de fazer – é contra as regras económicas de senso comum.

Melhores tempos se avizinham. 😉

~ por Vasco Névoa em Julho 30, 2007.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

 
%d bloggers like this: